Thursday, January 6, 2011

Testking & Braindumps... Até que ponto as certificações são éticas?

Recentemente estava me preparando para o exame do EnCE, quando um leitor deste blog, com a melhor das intenções, me encaminhou alguns PDFs com simulados para este exame, inclusive me afirmou que estudou por eles para a primeira fase do exame e foi de grande valor.


 





Não vou ser cínico, no primeiro momento eu fiquei muito entusiasmado com a notícia, mas depois me lembrei de uma discussão que tive a algum tempo atrás com um amigo quando revelei minhas intenções de me tornar um CISSP: certificação não vale nada...

Bom, que o Testking ajuda para os exames, isso não resta dúvida. As questões a serem discutidas são:
- "É ético ter acesso a praticamente as questões do exame, antes da prova?"".
- "Isso não é o mesmo do que colar??"".
- "Posso confiar em um profissional que faz isso??".

Não tenho a pretensão de ter a razão absoluta em nenhuma destas questões. Apenas as estou colocando estas questões para que possamos discuti-las. Acho válido discutir estas questões e ter a opinião de todos os leitores daqui do blog.

Pense na sua consciência: vai utilizar os TKs e BDs, ou vai pelo seu conhecimento apenas?


5 comments:

Edinaldo Júnior said...

Já houveram casos nos EUA e na Finlândia, onde a Microsfot, através da Justiça, conseguiu provar que o candidato usou de Braindump e cancelou todas as certificações do candidato, além de conseguir que a justiça impedisse o candidato de fazer novos exames.

Anonymous said...

Não sou totalmente contra o TestKing... Desde que este não seja seu principal meio de estudo acho q é válido porque te informa as pegadinha e tal q tem em algumas perguntas... Mas é isso mesmo.. c ficar na decoreba cara a cara com o problema c naum saber resolver daí c perde o trampo..

Alexandre Teixeira said...

Luiz,

Concordo com sua visão sobre ética, realmente é, no mínimo, injusto um cara que nunca abriu o EnCase passar no exame ou ainda fazer um score maior que o seu, cuja preparação veio da prática/experiência com a ferramenta e leitura de livros.

Entretanto, a falta de ética SEMPRE existirá. Sempre existirão os "mais espertos". Acredito que, neste cenário, os fabricantes e instituições que oferecem as certificações deveriam melhorar o sistema de avaliação.

Assim como a velha "cola" muitas vezes é evitada somente após colocarem detectores de metal, 2 monitores por sala, 3 ou 4 padrões de prova, etc. a exemplo das provas de concurso.

Mas como tudo envolve $$, nem sempre aplicar uma boa metodologia é vantajoso para quem oferece os exames/certificações.

Veja o exemplo das certificações CCIE, RHCE, GSE (GIAC) e outras que são baseadas em avaliações realizadas em laboratório (hands on). Dificilmente, um cara consegue passar se utilizando apenas de braindumps.

Enviar uma imagem de HD pro cara analisar em casa, definitivamente, não avalia nada.

Enfim, tenho certeza que com sua vasta experiência na ferramenta, não precisará de tais materiais. ;)

Ps.: desculpe se me estendi, mas é um assunto bem interessante!

Abraço
Alexandre

Luiz Rabelo said...

Alexandre! Obrigado pela sua participação no blog!

De fato, profissionais sem ética estão em muitos lugares, e InfoSec não seria diferente... Com certeza a questão dos custos envolvidos nestes exames são levados em consideração para quem oferece as certificações, e o custo para coibir estas práticas talvez não compensem...

Outro fator: para os fornecedores de tecnologia, o número de profissionais certificados pode ser um ponto positivo nos negócios, já que o número de profissionais teoricamente capacitados a operar a ferramenta/produto é maior...

No fundo, a questão é bem mais complexa...

Anonymous said...

ja tentei por este testking, mas da apostila que li, não caiu nada, fiquei sabendo que a Microsoft, reformulou seus questionarios, afim de não poder mais ser usado as apostilas Testking...alguem sabe de alguma coisa em relção a isso? Mas concordo e usar, somente como material auxiliar e não para tirar certificações com base....

Post a Comment