Friday, May 11, 2012

Suas informações em risco: Facebook não garante privacidade

Na rede social que mais cresce no mundo, o sigilo dos dados não é um ponto forte e mesmo nos perfis mais restritos sempre é possível descobrir algo sobre o proprietário.

Por Jacques Miranda de Oliveira

Depois de pesquisar as redes sociais – em especial o Facebook – e os hábitos dos seus usuários por mais de dois anos, afirmo: por mais controle e segurança que exista na rede social mais popular do mundo, em nenhum grau é possível garantir privacidade.



Por mais que alguém se utilize de instrumentos de privacidade física, como o controle de senhas e limitações de acesso ao seu perfil para apenas determinadas pessoas, o que é exposto no Facebook para este grupo seleto não é objeto de seu controle.

O estudo, conduzido em nível de mestrado na Universidade Braz Cubas de Mogi das Cruzes, deixa claro alguns pontos, principalmente na maneira como cada pessoa interpreta aquilo que vê. Este é um fenômeno semiótico, que quer dizer “a maneira como eu, usuário do Facebook, tiro conclusões a respeito de determinadas pessoas com base em fotos inseridas, textos ou informações sobre o seu perfil”, em outras palavras, aquele que insere informações no Facebook não tem a menor ideia de como será interpretado e fica a mercê de um conceito – ou preconceitos – a respeito.

Todo indivíduo fica à sombra da descoberta por outras pessoas de uma nova identidade a seu respeito, que pode gerar admiração ou repulsa e não falamos de uma análise psicológica, mas sim de um conjunto de fatores que dizem por si só.

A pesquisa analisou algumas “personagens” da internet, incluindo personalidades como: cantores, apresentadores de TV e jogadores de futebol e conseguiu determinar características que certamente não são vistas ao primeiro, segundo, terceiro encontro, por exemplo.

Risco
Algumas pessoas entram no Facebook e acreditam: ali não terão sua intimidade invadida pelo simples fato de limitarem o acesso a determinadas pessoas.

Fazem um paralelo com a ideia: “seria o mesmo que permitir que somente apenas algumas pessoas frequentassem minha casa”. Entretanto, as pessoas podem contar para outras pessoas suas percepções e interpretar da forma que bem entender.

Parafraseando o Big Brother, personagem do livro de Orwell – 1984, pode-se afirmar que não há um caso sequer que não fora possível descobrir algo sobre determinada pessoa. Mesmo no perfil mais discreto e restrito é possível encontrar ou deduzir algo a respeito do proprietário com grandes chances de acerto.

A técnica utilizada para a descoberta das identidades ocultas é a semiótica greimasiana, uma disciplina de origem francesa que estuda os símbolos que o ser humano transmite, seja ao escrever, ao colocar uma foto, ao expor seus hábitos, suas tribos. Com ela, é possível determinar algumas características, em especial o que o usuário pretende dizer disso tudo, ou qual o recado ele quer mandar e nem imagina que está escrito lá.

Recomendação
Para todas as pessoas que não desejam ver suas vidas expostas, não usem as redes sociais, em especial o Facebook.

E não é radicalismo, sim realismo. Entretanto, na condição de especialista em marketing lembro: num mundo moderno, a comunicação é ponto-chave para o sucesso nos negócios, no relacionamento e na vida.

Então, é melhor acostumar-se com o Big Brother do que ficar encapsulado num mundo offline.

Artigo original disponível em http://webinsider.uol.com.br/2012/04/11/suas-informacoes-em-risco-facebook-nao-garante-privacidade/. Artigo republicado com autorização do autor. Todos os direitos reservados.

No comments:

Post a Comment